Selo protetor, início de novo período de candidaturas

 

A promoção, proteção e defesa dos direitos humanos das crianças constitui um dos pilares fundadores do desenvolvimento e progresso das comunidades, sendo imperioso continuar a adotar medidas para a prevenção dos maus-tratos nas crianças e jovens a nível nacional.

 

O projeto SELO PROTETOR constitui-se como um sistema integrado de gestão do risco e perigo e representa uma oportunidade de autodiagnóstico e capacitação dirigida às Entidades com Competência em Matéria de Infância e Juventude (ECMIJ) no âmbito da promoção e proteção dos Direitos da Criança, de acordo com o previsto no Artigo 7º da Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo.

 

Inspirado em experiências nacionais e internacionais já testadas, particularmente no modelo australiano The Blue Card System, foi desenhado para fornecer informação e orientação que auxilia as entidades que trabalham com crianças e jovens.

 

Tendo, nos últimos cinco anos as Comissões de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) acompanhado, em média, 72.000 crianças e jovens em perigo por ano, é fundamental que possamos apostar na prevenção dos direitos das crianças através de políticas públicas que promovam e distingam práticas de excelência nesta matéria.

 

Receber o selo protetor significa que a entidade tem o foco nos direitos das crianças, criando metodologias pró-ativas de prevenção desses mesmos direitos.

 

Desejo que muitas mais entidades se juntem a esta causa, transformando Portugal num País que aposta na promoção e proteção das crianças e jovens e que terá, cada vez mais, um futuro melhor!

 

Rosário Farmhouse